domingo, 13 de setembro de 2009

' Domingo é fim de carreira.

Domingo é o pior dia da semana. O mais torturante, entediante e insuportável que poderia existir.
Pelo menos os meus domingos são.
Desde que eu me conheço por gente é a mesma coisa.
Meu pai me acorda as 8 hrs, abre a janela do quarto e acredite se quiser: a essas alturas o rádio está ligado, tocando pagode no último volume.
De vez enquando eu ainda resolvo ir comprar as coisas do almoço com a minha família, mas normalmente fico em casa, dormindo ou olhando pro teto.

Mas isso não é nada. O negócio fica punk mesmo um pouco antes do almoço.
Primeiro que minha casa fica mais movimentada que a estação da Luz, e meu telefone toca mais do que linha de hospital. Depois, essa movimentação na minha casa, normalmente consiste em seres humanos que eu não imaginava sequer que existiam.
Gente que normalmente diz: conheço seu pai do samba, te vi pequenininha.
Levando em consideração que faz, no mínimo, dez anos que esses caras me conheceram, fico imaginando: AONDE ARRUMARAM O ENDEREÇO DA MINHA CASA?
Além disso, essas situações se passam ás 10 hrs da manhã, quando eu estou com uma cara pééssima, e quando qualquer pessoa do mundo que não me conheça poderia dizer ao meu pai:
_Nossa, não acredito que você é pai do Michael Jackson.
E os infelizes ainda trazem dvds ''que-a-minha-mãe-vai-amar", normalmente de samba.
Minhas músicas ficam em segundo plano, e Capital Inicial é um nome que não é pronunciado.
Quando as visitas vão embora, começam as polêmicas:
_Você não vai pintar o cabelo de azul, Heloísa!
_Se eu deixar você se enxer de brincos, logo vira uma revoltada sem personalidade, Heloísa!
_O Rodrigo decidiu que vai ser engenheiro, o seu pai manja de CNC, eu sou técnica em Mecatrônica... Poxa, só você quer fazer Comunicação Social, Heloísa!
_Heloísa, que parte de "quem limpa o cocô da cachorra é você", tu ainda não entendeu?

Depois do almoço meu dia empaca de vez: meu pai tem compromisso com o grupo, e minha mãe vai junto. Quase sempre eu não quero ir, e quando eu quero, o (mala do) meu irmão diz que quer ficar em casa jogando videogame.
Se o telefone toca e é pra mim, recuso todos os convites possíveis, porque domingo é o dia de ficar em família ¬
Passo então a tarde sem fazer nada, navegando na internet e criando planos maquiavélicos (que um dia ainda ponho em execução :D).

Termino o dia assistindo Pânico na TV, tendo certeza de vou escapar do purgatório.
E a Raquel ainda tem coragem de me perguntar porque eu amo tanto a segunda-feira...

Beijos, Helô.

3 comentários:

Aninha Leme disse...

Helô, fiquei com medo do seu domingo!
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
samba? ughhhhhhhhhhhhhhhhhhh
acho que eu nao tenho a menor vocação para isso.
axé, pagode, sertanejo, boquinha da garrafa etc. Estou fora!
parei com as drogas faz tempo!

beijossssssssssssssss

HSLO disse...

Domingo...é chato.


abraços


Hugo

Anônimo disse...

É, concordo...
Domingo é um dia horrível pra quem mora com a família, pra quem mora sozinho, pra quem é casado... domingo é de fato triste, simplesmente porque o dia seguinte é segunda feira! aff

Beijos!