quarta-feira, 29 de julho de 2009

O (des)amor

Não posso escolher como me sinto,
mas posso escolher o que fazer a respeito.
William Shakespeare
Fecho os olhos e procuro segurar sua mão.
Imagino mil palavras e as mil reações que elas podem causar em você.
Dou um sorriso tímido, você responde com outro. Largo.
Pego meu violão e canto pra você. Uma música linda.
Seu sorriso deu a entender que não vai acontecer de novo, que sempre vai estar aqui.
E esse momento se torna perfeito. Penso por um segundo que valeu a pena ter esperança.
Bastou um sorriso e eu me derreti. Me tornei mais forte.
Até voaria com você.
Porém, por mais que eu falasse, você não respondia.
Boba, jogo a culpa na timidez que você tem.
Ah, como eu estava te amando!
Só iria melhorar se você retribuisse com palavras. Porque eu até gosto da sua voz.
Um segundo e eu acordo.
Lembrei que você tinha ido embora, pra ficar com a outra. A minha "amiga".
É, suspiro fundo. Num misto de agonia e saudade.
Esse foi só mais um sonho. E você sempre será só mais um idiota.


The Calling - Adrianne
Combina com essa postagem:

2 comentários:

Quell disse...

Fofo ><

Leon K. Nunes disse...

Hm, interessante, muito bem-elaborado, realmente sonhamos juntos com você, e nos desiludimos junto também... pense que às vezes há um distanciamento entre dois que nem sempre fica esclarecido; já pensou que pra ele talvez você não esteja nem aí pra o que viveram juntos? Obviamente, tô jogando no escuro, cada um sabe o que vive e escrever sobre isso com o panorama que quer dar... achei tão bonito o que escrevesse que li e reli todos os dias desde que postasse e só agora me atrevi a comentá-lo. Bela foto a sua aí na barra lateral, já tinha visto mas nem tinha mencionado... Até a próxima, um beijo.